Para saber o mais rápido possível destas novidades e também sobre novos artigos, está agora disponível subscrever o blog por email. Receba no seu mail todas as acutalizações do Trocos por Miúdos.

Terça-feira, 26 de Novembro de 2013
Os certificados de tesouro poupança mais

Começaram a poder ser subscritos em 31 de Outubro, e têm tido uma adesão fantástica. Este novo produto de dívida do estado tem conseguido captar muitos investidores à procura de melhores taxas do que nos depósitos a prazo.

No entanto, convém relembrar que DP e dívida do estado não são propriamente a mesma coisa, cada qual com os seus riscos e vantagens. Uma vez que o produto tem uma duração máxima de 5 anos, também faz sentido comparar com os seguros de capitalização que abordei no meu último post.

 

Rentabilidade dos Certificados de Tesouro Poupança Mais (CTPM)

 

A taxa de juro é crescente, indo desde os 2.75% no 1º ano até aos 5% no 4º e 5º anos. Feitas as contas, temos uma TANB média de 4.25%. Este valor é claramente superior ao que se encontra em DPs, sendo sensivelmente equivalente ao seguro de capitalização de 5 anos da Real Vida e do Eurovida Renda 2018. No entanto, a taxa de irs a aplicar aos CTPM é de 28%, não beneficiando da taxa reduzida que é aplicada aos casos anteriores. Deste modo, a TANL média é ligeiramente inferior: 3.06%

Taxas de juro anuais certificados de tesouro

Isto se falarmos apenas da rentabilidade garantida. No 4º e 5º ano há uma bonificação da taxa igual a 80% do crescimento do PIB português (se houver crescimento). Dada a situação de crise que o país atravessa, pode parecer que isso nunca será nada de jeito, mas tendo em conta que nos últimos trimestres o PIB deixou de retrair, obter algum crescimento minimamente significativo daqui a 4 e 5 não é uma ideia assim tão tola. Pode não ser a mais provável, mas não é de descartar de todo.

Uma vantagem que os CTPM têm em relação aos seguros é a possibilidade de resgates antecipados sem penalizações. Os resgates antecipados só podem ser feitos a partir do 1º ano, mas penalizam apenas os juros que ainda não foram pagos. Como há pagamento anual de juros, logo após o pagamento é possível resgatar sem perder juros nenhuns. Por contraste, os resgates dos seguros implicam quase sempre algum nível de perda de juros ou até do dinheiro inicial.

A Deco indica, e com razão, que as obrigações do tesouro português com prazo de 5 anos são mais rentáveis. Só que para além dos custos e da maior complexidade de comprar obrigações do tesouro, também elas podem resultar em perdas se for necessário resgatar antecipadamente. Para além de estarem na linha da frente de levarem um corte caso Portugal tenha de renegociar a dívida.

Os "velhinhos" certificados de aforro permitem resgates trimestrais sem penalização de juros e oferecem uma taxa que anda pelos 3.19% brutos. A 1 ano é superior aos CTPM, mas a longo prazo são claramente menos rentáveis, já para não falar da sua taxa ser reduzida a partir de 2016.

Comparações feitas, vejo os CTPM não como o supra-sumo da rentabilidade a 5 anos, mas sim como algo mais equilibrado que combina uma rentabilidade bastante jeitosa com uma relativa facilidade de resgate antecipado.

 

Riscos

 

Tanto os CTPM como as obrigações do tesouro e os certificados de aforro representam dívida do estado. Todos estão sujeitos ao risco de falência do Estado. Casos como o da Grécia, onde houve cortes nos títulos de dívida, podem acontecer cá. A questão que se põe é: será provável que isso aconteça nos próximos 5 anos? Pessoalmente não acho demasiado provável. Tanto os dados do FMI, como os da União Europeia parecem apontar que não. Mas das previsões à realidade pode haver grandes diferenças.

Se formos a ver bem, qualquer aplicação tem um risco associado. Os seguros de capitalização têm os riscos de falência da seguradora, e até mesmo os depósitos a prazo têm risco do banco e do FGD. Os últimos têm o risco mais baixo, mas também oferecem uma rentabilidade menor. Ninguém sabe ao certo o que aconteceria caso houvesse um corte na dívida. As obrigações do tesouro seriam certamente apanhadas. Mas os certificados de aforro e tesouro poupança mais são uma incógnita. Por serem destinados a particulares há a hipótese de o Estado lhes dar uma proteção preferencial. Mas tudo isto está dependente de decisões políticas. Certezas não há nenhumas.

Uma vantajem clara dos CTPM face às obrigações é que podem ser vendidos em qualquer altura a partir do 2º ano sem perda de capital. Se a situação parecer negra para Portugal, o preço das obrigações do tesouro cai a pique. Nessas condições resgates antecipados têm perdas fortes. Nos CTPM isso não acontece, logo qualquer pessoa pode abandonar o barco sem complicações se não gostar do rumo que ele leva. Por esse motivo, tanto os certificados de aforro como os CTPM são das formas mais seguras de investir em dívida portuguesa.

 

A subscrição destes certificados pode ser feita nos CTT, tal como os certificados de aforro. O Instituto de Gestão da Dívida Pública também tem uma plataforma online onde se podem fazer subscrições, o Aforro Net. Quem já tiver possuído algum certificado de aforro ou tesouro (dos antigos) pode abrir conta online e fazer a subscrição por lá. Em caso de se querer fazer resgates antecipados, também devem poder ser feitos online, à semelhança dos antigos certificados de tesouro.

publicado por ruicarlov às 21:12
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Bf a 27 de Fevereiro de 2014 às 02:49
"...Só que para além dos custos e da maior complexidade de comprar obrigações do tesouro..."

Poderia indicar quais os custos concretos relativos à aquisição, manutenção e movimentação de obrigações do tesouro? Obrigado.
De ruicarlov a 27 de Fevereiro de 2014 às 12:32
Os custos variam bastante consoante o banco. Os tipos de custos mais comuns são:
- Comissões de compra e venda/reembolso. Cobram uma % baixa do valor da compra, mas com comissões mínimas que rondam muitas vezes os 30€.
- Comissões de custódia de títulos. Alguns bancos cobram 5-6€ por trimestre por deter obrigações.
- Comissões sobre cupões. O pagamento de cupões está sujeito a uma % de comissão, com comissões mínimas geralmente de 2.5€ por cada pagamento de cupões.
Para além disso é necessário olhar para a cotação de compra das obrigações. Pode haver alguma variação entre bancos e estarmos a pagar mais dinheiro pela mesma quantidade de títulos. Alguns bancos com comissões mais elevadas podem ter melhores preços (ou não :P)
Mas como pode perceber, é preciso ter em conta muitos mais factores do que nos CTPM. As remunerações atuais nem sequer compensam.

Comentar post

.Subscrever por mail
.pesquisar
 
.posts recentes

. Poupar com cartões de cré...

. Mais quedas de taxas de D...

. Saída do PrivatBank de Po...

. Administre-se financeiram...

. Depósitos a prazo - A sit...

. Cartões pré-pagos

. Poupar com cartões de cré...

. Englobamento para o IRS d...

. Invest Choice Novos Depós...

. Os certificados de tesour...

.links
.Ganhar dinheiro na net (sites PTC)

Em Português:

.

Em Inglês:

.mais comentados
.Maio 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.últ. comentários
E o cartão 123 do Santander? Dá cash back de 1% em...
Penso que isso seja mais caso a caso, pois todos o...
ola queria pedir uma opiniao.que cartoes ha por ai...
Olá, João!O cartão demora cerca de 1 semana a cheg...
Nem por isso. Parece que são cada vez menos os car...
Para quem faz compras nesses shopings pode ser que...
Conhecem este cartão?http://www.mundicenter.pt/mgc...
Há novidades (positivas) relativamente a este assu...
Ana, que documentos foram necessários para pedir o...
No meu caso o que me disseram era que estavam à es...
.arquivos

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Novembro 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

.tags

. todas as tags

.Directórios/Redes
Directorio de Blogs Portugueses
.subscrever feeds